"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

quarta-feira, novembro 10

Vestida de mim

Algumas pessoas são feitas de luzes, de sentimentos, outras são de rocha e aceitamos todos assim, como devem ser. O que me instiga mesmo é um olhar particular, para dizer que às vezes a vida é foda. E do nada hoje quero ver Irene dar uma risada.

Acho que meu devaneio mental faz essas coisas comigo, me motivaram a falar de tudo que tenho vontade, mesmo que seja mensagem efêmera. Isso também é reflexo da minha opinião inútil. Preciso de mais desvairo, para que tudo fique menos igual.

Vou procurar me esconder no escurinho do cinema, desde que seja no Museu da Imagem e do Som, quando tiver minha imagem do mundo romatizada ou em caleidoscópio, me sentarei no Trapiche Amazônico, para ter uma ideia². Sei que isso me fará mais feliz... Mesmo que depois meu juízo finque meus pés no chão e lembre que deveria estar estudando.

Hoje saio assim... vestida de mim, só porque eu quero.Voltarei minha atenção para os livros e tratarei de saber como fazer um curta-metragem. Porque o poeta não pode chorar, a poetisa se vale dessa máxima… o jeito é se deliciar com textos, textinhos e textículos na noite mais densa, isso ninguém proibiu.

Parcimônia, eu tento... Mas, não é fácil nem tudo é minha culpa, não fui eu, foi meu eu lírico, louco e eternamente insatisfeito… que estimula ser quem eu sou e hoje, vou assim, vestida de mim.

 

 

 Prometo que hoje atualizo!