"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

sábado, novembro 20

VII FIM

Toda vez que falamos em FIM, parece que surge uma tristeza no ar, sugere uma sensação de perda, coisas que tiveram início, meio e agora FIM.
Algo totalmente subjetivo equiparado à relatividade também, àquela coisa meio sem sentido que envolve o tempo dos amantes e a dor que os maltrata, este FIM...
Mas, o FIM em outro momento girou em sentido anti-horário e em seu próprio eixo, agora interioriza as suas considerações, num processo mais intenso de busca pelo autoconhecimento ou será um exercício de difusão cognitiva?
E no FIM das contas já são sete vezes que o Festival Imagem Movimento apresenta novas formas de ver o mundo. E, incongruentemente o FIM teve início neste final de semana, nos municípios de Porto Grande e Mazagão Velho. Pretende proporcionar aos outros 14 municípios do Amapá a chance de se iniciarem no FIM.
Por Hellen Cortezolli

O Festival Imagem-Movimento inicia neste fim de semana (19 e 20 de novembro) uma ambiciosa missão: espalhar pelos 16 municípios do estado a semente do audiovisual e suas diversas possibilidades. Nesse momento inicial, os municípios Porto Grande, Mazagão, Tartarugalzinho, Ferreira Gomes, Serra do Navio, receberão duas mostras de vídeo e um curso de produção de audiovisual.
Essas ações iniciarão nesse sábado e domingo por Porto Grande e Mazagão Velho.A ideia maior é agir buscando construir uma ampla rede de grupos produtores de audiovisual no estado para fortalecer esse segmento cultural e canalizar esforços rumo a profissionalização e diversificação do audiovisual amapaense. Vida longa ao FIM!

Por Alexandre Brito