"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

segunda-feira, outubro 31

As mentiras produzidas e consumidas diariamente

Nestes últimos dez dias, tive poucos momentos para exercer a reflexão saudável. Entre um questionamento e outro dos porquês de me submeter à sistemas que não funcionam, ou melhor, funcionam em meio ao caos... Agora mais descansada, analiso o reflexo dos contextos onde estou inserida.

Para ser mais específica, no salão de beleza enquanto esperava minha mãe ficar do jeito que desejava, para não criticar os assuntos comumente abordados pelas pessoas que lá labutam (quem casou, se separou, quem é amante de quem, quanto pagam por isso ou aquilo), resolvi folhear algumas revistas... 

Encontrei um álbum com o passo a passo de tratamento químico capilar. As fotos eram realmente horríveis, pixealizadas, escuras, não valorizavam o efeito/resultado do tratamento, tão pouco o desempenho do profissional (não sei se as consumidoras concordaram em não querer ficar como as “cobaias das fotografias”, ou se foi meu olhar “adestrado” que ficou ainda mais exigente). Sendo assim, viva a publicidade!

Hoje, descobri que minto o tempo todo. Principalmente para mim mesma, quando digo, por exemplo, que durante meu descanso não irei passar perto de tecnologia/rede social alguma (já que trabalho com isso). 
Mentcheeeeeeeeeera!

Cá estou depois de tanto tempo, para dividir minhas novas asserções, ou não tão novas assim, só mais conscientes, quem sabe, consistentes?
Não sei bem como fui parar no twitter de uma celebridade, que me levou a outro link, de seu site. Muito ergonômico por sinal, atraente, não só pelos ensaios fotográficos, mas principalmente pela facilidade e velocidade com que são as imagens e aplicativos são carregados (fator preponderante para uma internet não tão boa como a que a maioria das pessoas tem acesso).

Contudo, o que mais me chamou a atenção e motivou meu retorno obrigatório ao programa de elaboração de textos e todos os passos que são conhecidos para se postar um tema na internet, foi o texto explicativo de um dos ensaios fotográficos da referida celebridade. Minha dúvida foi em saber se ele foi de fato escrito por ela, ou por sua assessoria de comunicação.  

Um rápido mergulho no mundo da manipulação da informação: Publicidade, jornalismo, assessoria de comunicação e por aí vai. Esse meu olhar, identifica quem escreve o quê, provoca e praticamente responde sozinho que: a assessoria dela é muito eficiente.  Já que o texto elaborado tem, obviamente características da celebridade assessorada, mas também destaca um trabalho delicado, atento de que não foi ela quem escreveu a próprio punho em razão da forma com que escreve em seus twittes, complicado?  Respondo que não. E não vale apelar para a acentuação nem sempre disponível nos aparelhos de celular com aplicativos que facilitam tudo.

Viajando ainda mais na imaginação, posso seguir essa linha de raciocínio e pensar que foi uma pergunta que deu origem aquela resposta tão profunda, que justificou a entrada do ensaio fotográfico. Porém, mais do que uma pergunta foi a forma com que foi formulada. De maneira bem natural, talvez respondida enquanto folheava uma revista, conferia seus twittes no celular ou esperava o cabeleireiro ou maquiador terminar de produzi-la.
Tantas mentiras, que se tornaram verdades gostosas de consumir.
E você, também mente gostoso ou apenas gosta de mentir?