"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

terça-feira, maio 18

Quando a recíproca é verdadeira

 Hoje tive um sonho estranho, não dormi muito bem, dores de cabeça absurdas me fazem companhia há algumas noites… Nesse sonho tive revelações que não pude ainda discernir se foram observações contidas no meu id ou foi meu subconsciente que falou mais alto… Só sei dizer que alguém me falou algo sobre amizade, resolvi transcrever o pouco que pude lembrar:
Diz-se da afeição recíproca entre duas pessoas, equivalente a mesma proporção. Amizade é um lance estranho… Fazemos amigos, descartamos os que nessa regra não cumprem seu papel. Se não há consideração quanto à reciprocidade ou recompensa na mesma proporção, logo, não é amizade.
Diz-se ainda não ser possível mantê-la unilateralmente, pois é embasada em reflexões e ponderações de algo que foi sentido. O que leva a crer que esse sentimento “amizade” é forte o suficiente para manter o respeito entre as partes. Então, se os amigos tendem a fazer escolhas que o prejudicam e ainda assim são felizes, que o sejam. E não se fala mais nisso.
Amigos precisam administrar o tempo, para não perder amigos…


  *Sejamos todos metal, raios, relâmpagos, trovões, tempestades completas, façamos todo o estrago do mundo, mas que o metal seja aquele forjado pela fogo e a água e todos os extremos capazes de resultar em algo digno de apreciação, de experiências que nos façam pessoas melhores. Que as tempestades por nós provocadas, arrasem estruturas já abaladas e que no local sejam construídos não mais portos seguros, mas lugares que instigue o desejo de voltar sempre que sentir necessidade, quando nos propusermos alçar vôos mais altos ou mergulhos mais profundos. Que apenas nossas almas se dispam das máscaras que usamos todos os dias.