"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

terça-feira, dezembro 7

Missão cumprida

É desse sentimento a que me refiro agora e, aproveito a sensação de ter tirado um peso enorme dos ombros (talvez a balança me surpreenda com vários números a menos) rsrsrs.

Fico feliz com os amigos que fiz nessa trajetória, pude contar com amigos que conheço a algum tempo, amigos (as) que também são colegas de trabalho, outros cultivados por esse espaço sem fronteiras que é a internet. A Lara, foi uma menina que conheci aqui e me ajudou também com a revisão dos meus textos, assim como a Thay e a Lílian que paravam o que estavam fazendo para ler os meus escritos… Enfim, ainda estou tão feliz, que não falo, penso ou recordo outra coisa…(ledo engano tem outras coisas que penso também rsrs) mas, tem espaço para tudo…

Pela manhã já havia recebido um texto lindo de presente do Eltão e à tarde, ganhei outro da Larinha e também da Lílian, fiquei muitíssimo emocionada, obrigado pelo tempo dedicado à mim, aos textos tão amorosos e principalmente por suas presenças num momento tão importante!

***

Tia Cotezolli dá ogulho pá eu :) Por Lara Utzig

Dia 6 de dezembro. 16:40. Uma moça branquinha e nervosa na porta da sala. Uma moça branquinha e nervosa que trajava saia, meia-calça e sapato pretos e camisa social azul. A guria estava à beira de um ataque de nervos, e eu também.

A começar pelo fato de que eu sequer a conhecia pessoalmente. Era "só" amiga virtual mesmo, relacionamento que começou graças à Thainá Rodrigues, e quando dei por mim já era leitora assídua do http://cortezolli.blogspot.com.

Não me arrependi em nenhum momento de ter ido assistir a defesa de TCC dessa guria. A monografia era um guia para os iniciantes que desejam fazer documentário. Um texto fluido e gostoso, como tudo que a Hellen escreve.

Depois de discorrer sobre o assunto, a banca pede que nos retiremos. Normal. A banca pede que entremos novamente. Normal. O que não foi normal foi a introdução torturante do Alexandre, orientador da Cortezolli. Ele basicamente disse que, independente da nota, era preciso maturidade para aceitá-la. Acrescentou também que a nota não era para ser divulgada, mas a banca era esculachada e ia falar mesmo assim.

Após ouvir um sonoro e esperado "10", bati palmas freneticamente e fiquei sorrindo embasbacada por um tempo. Fiquei tão feliz que parecia que era a MINHA defesa, que era eu que tinha tirado aquela nota. Sério, fiquei extasiada, tanto que esqueci que tinha que levantar da cadeira.

A melhor parte foi o abraço beeem apertado que a mais-nova-jornalista me deu depois. Foi um abraço que me transmitiu uma paz interior, um alívio, uma sensação de dever cumprido.

Só esqueci de perguntar se rolou o tão esperado absinto pós-defesa...

***

Nota 10! Por Lílian Guimarães

Amiga linda, fiquei nervosa quando te vi tão tensa, todos os olhares direcionados na sua direção, e como sempre você nos surpreendeu com seu jeito de mulher fatal, numa elegância única e inteligência incomparável.

Lá no fundo daquela sala fria, meu coração ficava acelerado quando me olhava nos olhos, como se dissesse: me ajuda ou me tira daqui. Claro que não era isso que você queria, era apenas uma maneira de ter a confirmação que tudo estava indo muito bem.

Não poderia ser diferente Hellenzinha, 10 é nota mais do que merecida, não apenas pelo TCC. Você é 10 como profissional, pessoa, amiga e tenho certeza que como filha também.  Não tenho dúvida que serás uma profissional de sucesso, e que bom saber que posso ter você ao meu lado.

 

Obrigado pelo carinho *-*!