"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

quarta-feira, maio 11

Monstros: Extinção X Ascensão Silenciosa

Novas Mídias  Em fóruns sobre novas mídias é possível encontrar de tudo, principalmente especialistas na área, discorrendo sobre diversos aspectos, o comportamento dos usuários das novas mídias no que é considerado atualmente, febre do momento.

  São questionadas de forma comparativa, as funcionalidades do Orkut e Facebook. Os conceitos variam em conformidade com o público alvo, e isso deve ser sempre o critério preponderante para qualquer consideração do gênero.

  Engana-se quem defende a ideia, sem titubear de que o Orkut tenha morrido. O público que ainda o mantém “respirando” almeja por privacidade, coisa que o Facebook não oferece quanto aos recursos de exposição dos álbuns fotográficos. Dentro desse contexto, depois de aceitar um amigo, ele passa a ter acesso a todas as informações disponíveis no perfil do Facebook.

  Na contramão dessa opinião, o Facebook disponibiliza interatividade entre as comunidades, coisa que o Orkut não oferece. Mas, até afirmar que o Orkut morreu é um exagero descabido.

  Tem profissionais atentos para esse tipo de discussão e um gráfico sobre a extinção ou ascensão silenciosa (isso me lembra alguém) do Orkut, pode sinalizar que nem tudo é o que parece, vamos aos números:

  • O índice de usuários/mês do Orkut, chega a 8 milhões, com cobertura de 70% dos internautas brasileiros;
  • O perfil de usuários apresenta faixa etária de 18 a 24 anos;
  • Segundo dados disponibilizados pelo Google 50% dos usuários do Orkut ganham entre R$2.000,00 e R$8.000,00, esse foi o poder de consumo apresentado, já que não foi possível ser mais específico quanto ao segmento por classes e rendas não declaradas, familiar ou individual;Facebook e Orkut

  A descrença de alguns usuários se baseia não só a partir das ferramentas atraentes ofertadas pelo Facebook, mas principalmente o abandono das comunidades do Orkut. (Fontes: www.missmoura.com @ MissMoura).

  Em pesquisa realizada pelo Pew Internet and American Life Project, intitulado "Isolamento Social e a Nova Tecnologia", a faixa etária do público alvo que utiliza as redes sociais como:

  • Twitter – microblog: Em torno de 31 anos;
  • MySpace: 26  anos (há um ano, era 27 anos);
  • LinkedIn – rede de relacionamento com perfis profissionais: 39 anos (a faixa etária registrada um ano antes era 40).
  • Finalmente o Facebook: "envelheceu" a idade média saltou de 26 para 33 anos. (Fonte: http://www1.folha.uol.com.br), apesar desse parecer o Facebook possui cerca de 7,5 milhões de usuários com idade inferior a 13 anos, idáde mínima para criar uma conta na rede, esses números são de um relatório divulgado hoje pela Consumer Reports.

  Os dados indicam que varia de acordo com o público alvo e o poder de compra de cada classe, logo é insustentável afirmar que o Orkut morreu ou o Facebook chegou para brilhar. Cada mídia tem sua importância dentro de uma realidade para qual se predispõe a atender, o compartilhamento de informações dentro dessas redes é ainda a melhor forma de atingir o maior número de pessoas. Mas, para isso é de suma relevância estudo do público alvo e atenção a tudo que acontece no mundo real/virtual. Fique ligad@!