"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

sexta-feira, fevereiro 18

Mal dito e outros soluços

os motivos dela  Fico feliz quando comentam no blog, as pessoas que por aqui passam e se deixam ser vistas e lidas produzem coisas lindas, muito melhores que as minhas até, motivadas talvez e sem falsa modéstia, pela provocação que meus textos lhes causam.

  No último texto em especial que teve comentários inspirados e inspiradores notei que neles havia um pouco mais de cada experiência pessoal, ou melhor, do que as pessoas perceberam. E isso basta!

  Agradeço muito por dividirem comigo suas impressões de tudo o que sentem. Quanto ao texto em questão, não há muito a ser dito, meus dedos reproduziram o que minha alma incomodada gritava. E hoje chove e não sei que trilha sonora ouvir, porque o que eu já tive não me basta mais. Acredito que é normal não se contentar com o que consideramos ser migalhas ou restos...

A vida às vezes joga na cara as oportunidades que quando desperdiçadas debocham e retornam melhores para outras pessoas para tirar sarro como quem diz: “Perdeu playboy!”.

Sempre tive problemas com o tempo... E isso não irá mudar. Essas malfadadas linhas descritas motivadas não sem bem por que ou muito pelo contrário, não têm a intensão de explicar nada. Mesmo porque se isso tivesse sido escrito para alguém ou muitas outras pessoas ao mesmo tempo, estas seriam incapazes de corresponder como os leitores escreveram de acordo com a postagem abaixo.

Contudo, ainda chove! Rsrs

Eis os comentários:

Por ThallyCrazy

Máscaras que te escondem...
Que te calam...
Palavras que não saem...
Perdidas...
Espera angustiante...
Que se perde...
Vício...
Alienação...
Infantilidade...
Esta mente...
Ausente
Comumente... Mente!!
Se Perde...
Se Esconde...
Então procuro...
Ahhh, cansei!!
Reticências preenchidas...
Agora não por gente Vazia!!!!

***

Por Cláudia Carvalho

“Quem é idiota no final?”
Tenho a impressão de que a última frase é o início do seu texto.
Menosprezo ou subterfúgio?
Atrevo-me a escrever em nome dos “reles” mortais que lhe rodeiam.
Quem é você linda “menina mulher”?
O idiota sou EU, que dormia enquanto você se debatia?
Perdoe-me se não te contei as mentiras que você queria ouvir
Deixei as suas expectativas de lado pra te dar um pouquinho de mim
Você espera pelo quê?...
Enquanto derramo meus anseios e meus desejos pra você me perceber
Desculpa pelas frases não ditas... Era o meu silêncio esperando pela sua fala.
Eu sempre quis te ouvir.
O que você procura? Se suas reticências é o ápice da minha loucura.
Sou apenas o finito que não lhe basta.
Vejo o seu cansaço, mas não posso te dar o mundo!
Não o mundo que você deseja. Então te dou o normal, o comum, O QUE EU CONHEÇO.
O que penso sobre você?... ah, penso que você é tudo o que diz ser
...e mais aquilo que não admite.
O tempo tá passando... tic-tac... tic-tac... É VERDADE! Os burros e covardes estão vivendo
E você? Sobrevivendo em meio às entrelinhas?
Ou deixando seu medo acelerar o relógio?
Ei, vou deixar a porta aberta... Voe e volte... Sempre.
Entenda de uma vez! Não te quero sempre perto,
É a beleza do seu vôo que me faz viver.