"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

quinta-feira, setembro 8

Um dia... até a exaustão

Duvido sempre...
Depois de um dia estranho, não senti passar, não senti me engolir. Senti só tontura... no descer das escadas, passava das cinco da tarde.
Acho que foi adrenalina demais. Mas, resolvi tudo. Terminar o dia com o dever cumprido, parece mentira. Enfim, venci mais um dia... Apenas mais um.

Ainda sentindo um vazio, talvez aquele que não foi preenchido pelas respostas que esperava no e-mail. Muito tempo atualizando a tela e nada. E, costumo responder o mais rápido que posso, por que então não recebo as respostas?
Desisto de pensar a respeito. Depois do jantar, tomei alguns goles de vinho (aprendi a apreciar... talvez não. Quem sabe seja para sentir o sono chegar mais depressa).

Amanhã começar do zero. Falando assim me sinto como os personagens de vídeo game, com a barra de energia por preencher e todos os obstáculos por desbloquear.  Nerdices afinal!
Sei que exijo muito de mim, não sei ser diferente. Temo nivelar pela mediocridade e temo mais ainda o tempo. Sempre o tempo!

Apesar de tudo, não sinto que fiz o melhor, fiz o possível. Dez minutos relativos para um spot de 30 segundos? Como assim? Apenas faça. Fiz e agora? A sensação não foi embora.
O Boletim Informativo? Aquele título, aquela diagramação, aquele prazo. Chega de pensar no assunto.