"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

quinta-feira, março 24

Atrasos e outras versões

33
Não sabia o que escrever... Tenho sido engolida pelos dias corridos e atarefados. Pelo menos durante o dia, a noite é tudo tão chato.
As mudanças não param de acontecer. Que bom que acontecem. Os cenários se modificam, os personagens também.
A vida toma novos rumos. Contudo, alguns filmes se repetem. Assim como as histórias com finais piegas e plagiadas de outros lugares.
Falta criatividade até para as alucinações, as seduções são sempre as mesmas, todavia funcionam para os mais desavisados e a chatice permanece.
Raiva, felicidade, frustração, amor, tristeza... Tudo passa por cérebros limitados, miseráveis e todos começam a acreditar que pode haver mais “entre” as entrelinhas, como num universo paralelo. Talvez não... Porque as figuras dramáticas são rasas demais, seguem devagar demais e o tempo não cessa para quem imagina o ter de sobra.
Amanhã quando de fato acordarem, será tarde, saberão que estão todos mortos. Restará apenas o lamento por não ter feito diferente.
E eu de mim, não sei… se quero saber.