"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

quarta-feira, março 2

Tic-tac

Quanto tempo tenho?
    Felicidade é estado de espírito, desenvolver um raciocínio a partir disso é como buscar sustentação em algo invisível, porém que te alimenta, algo muito semelhante com a fé. Mas, fé? Há tempos me tornei mais cética do que deveria. Perdi minha crença principalmente nas pessoas e me incluo nesse meio. Isso é mais do que triste, é desesperador.
  Percebo minha inquietação constante, aquela sensação de bipolaridade extrapolou até mesmo o considerado anormal, então devo agradecer e reconhecer a esta altura, temo olhar para trás…
  Minha imaginação anda confusa. Terá sido minhas conquistas? Quando elas finalmente acontecem em vez de comemorar e soltar meu grito mais cortante, me calo... e revivo meus passos até ali... me assusto... foi tão rápido.
  Quanto tempo tenho?
  Quanto tempo terei até a próxima conquista?
  As verdades assim como o tempo são relativas, ninguém é todo verdade que não possa mentir para si mesmo e, alguns não são totais mentiras que não possam ser sinceros ao menos uma vez.
  Quem sou eu hoje, depois de tudo? Quem fui? Quem irei me tornar?
  É estranho não me reconhecer no espelho. Não poder julgar a mim mesma.
  E o tempo passa... Quanto tempo ainda resta para me reinventar?