"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

sábado, abril 3

Como treinar o seu dragão

(Não, essa não é mais uma história onde o Cavaleiro da Capadócia tem destaque).

 como-treinar-o-seu-dragão-pôster Na verdade é sobre o novo filme da DreamWorks – How To Train Your Dragon, “Como treinar o seu dragão”   dos mesmos diretores de Lilo & Stitch -Chris Sanders e Dean DeBlois Lilo & Stitch - Disney (dá até para notar a semelhança no traço dos monstrinhos) -disponível no cinema do Macapá Shopping.

Sempre com uma linguagem subliminar bastante sutil, trata peculiaridades como necessidades especiais de forma bem natural. No cinema a reação das crianças (pelo menos na última sexta-feira, foi sem sustos, com ressalvas para a hora em que o dragão Banguela divide sua comida com seu novo amigo, foi possível ouvir vários “ecas” vindos da primeira fila).

A história se passa na ilha de Berk, na aldeia viking, onde os habitantes do lugar, têm sérios problemas com os constantes ataques dos dragões que aterrorizam aquela região.

O jovem Hiccup (protagonista) é um rapazinho franzino, excluído pela sociedade viking por não ser forte como os demais, porém, não menos destemido, e é exatamente por isso que arruma muita confusão.

Hiccup, precisa ser iniciado para ser reconhecido por seu pai e toda sua tribo. (Bacana quando ele fala umas três vezes quando fazem referência a “ele todo”, tanto negativa quanto positivamente). Somente com o desenrolar da história é que o expectador entende que se trata do “principezinho” viking, sem nenhum talento para a luta e, que rompe as barreiras do relacionamento preza/predador, quando faz amizade com o temido dragão Fúria da Noite. Fúria da Noite - Posteriormente chamado de Banguela

Vôo!

O filme vale a pena, em nenhum momento a história fica chata. E, o final é surpreendente, daí a mensagem subliminar que falei no início do post. Apesar de acreditar que nenhuma sinopse estraga o prazer que temos de conferir com nossos próprios sentidos, não vou contar como termina, tá bom?

Em tempos onde amizades verdadeiras só se encontra mesmo no cinema, vale a pena assistir! Taí a dica de filme. Bjs