"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

quinta-feira, janeiro 13

De camarote é confortável

Vejo tudo de longe

Me mantenho inerte

Tanta gente menos importante

Finge ser arrogante

 

Minha arrogância natural me protege

De salto alto, até homens se equilibram

Quando chega o baque todos solicitam

Ajuda, piedade, compaixão

 

Quando a queda é superada

Um degrau se torna palco

E palhaço se ofende com a comparação

Junto aos que faltam amor próprio

 

E tem a língua maior que a boca

Afiada, venenosa e traidora

Por sorte um dia morrerão engasgados