"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

sexta-feira, junho 10

Depois do embaraço...


Sabe quando o tempo não passa e brinca de pega com você?
Ele se esconde quando deveria correr e paralisa quando deveria correr? Então, sempre haverá escolhas, nada mais.

A opção a seguir é sempre aquela que mais te expõe e depois que tudo foi arriscado vem aquele embaraço, e apesar de tudo, um alívio. Tanto faz... o tempo foi perdido, as palavras fugiram com o vento... E você? Se foi... No segundo seguinte tudo será diferente.

Os teus planos seguem pelo ralo como a água que te banha, que percorre pelo corpo, purifica, contudo, passa e nunca mais será a mesma água...
Uma noite de quinta é assim, foi assim.

Não havia nada em lugar nenhum, as palpitações sumiram e deram espaço a um poder que nunca antes esteve ali. Um poder ser você mesma... Mesmo que seja alguém estranho, mesmo que esse alguém traga consigo bilhões de personalidades e um medo enorme de se reconhecer em algumas daquelas as quais mais repreende, rejeita e até certo ponto... te ofende. Não importa mais.
A força serenou. A dor se dissipou e você é alguém novo...

Que não tem dores físicas e quando tudo der errado, vai pegar o primeiro avião rumo a uma nova história, como já fez antes. Não há nada que o impeça, nada... E, que se danem os pontos e vírgulas, os nós que impedem as melhores amarras. Danem-se!

E, que tenham espaços os castanhos, verdes, azulados, pretos, amendoados... Olhos que não verão além do que você quiser ou permitir, e que ainda assim verão.
Seja alguém novo, seja quem quiser. Mas, seja...

Quem sabe uma rosa por um segundo, possa ser colhida com a certeza de provocar brevemente a felicidade e tão breve será sua morte, porém, apesar dos espinhos que seja delicadamente manuseada... E seu perfume seja algo moderadamente apurado. E... que assim seja! Por um instante apenas, marcante.

Deste modo seja eu, a rosa vermelha, colhida com cuidado, pois é sabido que tenho espinhos, que farei facilmente alguém sangrar...

Que possa ser delicadamente manipulada e que minha morte seja breve, mas que os lábios desejosos possam me tocar ao menos uma vez... Mesmo que seja a última.
Que assim seja!

*(Agora vou dormir que já estou demasiadamente entorpecida por algo mais que meu desejo, rsrsrs)