"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

sexta-feira, agosto 5

Papo de homem

Enquanto rascunhava um texto sobre meu momento atual, tive a atenção voltada para um papo “muito sutil” de alguns colegas de trabalho, todos homens.

Um deles havia recomendado a outro que assistisse à novela das onze. Antes do terceiro se manifestar com aquelas gracinhas de praxe, onde geralmente destacam suas possíveis desobvialidades, que segundo uma visão mais machista desencaminham os machos, ele se antecipa:

“A novela é sem frescura, tem palavrão, as mulheres estão toda hora na cama com os caras”... A macharada se animou e ele prosseguiu com as argumentações “muito bem fundamentadas”: “Só tem um problema que identifiquei, a novela de época com os modelos de carros todos 2011, e as roupas de festa das mulheres, cabelo e maquiagem, praticamente dos anos 70. Tá tudo errado”.

Além de me divertir com a ideia de que eles agora falam de novela, achei interessante o cuidado que tiveram em dividir suas percepções... E todos ficaram se ouvindo. É tão difícil isso acontecer, as pessoas fingem estar atentas o tempo todo, a menos é claro que isso lhes beneficie diretamente e em tempo hábil.

Para concluir, homem não fala só de sexo, futebol e mulher, essa mesma turma com quem sou feliz em conviver, fala também do que as mulheres falam, de como se tratam. E tem um monte de verdades, serve até para nos prevenir das ciladas anunciadas. Têm diagnósticos certeiros, homens conhecem homens e mulheres. Nós mulheres pressentimos mais, às vezes, do que de fato identificamos.

Tenho a honra de ter amigos que falam de política, arte e entretenimento com muito conhecimento. Mas, do jeito dos meninos citados acima, foi merecido um texto só para eles.