"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

terça-feira, março 23

Errata e justificativa

Publiquei ontem em meu post mau humorado que o filme Crepúsculo trata-se de uma trilogia, tenho que agradecer aos meus leitores mais assíduos pelo puxão de orelhas, que aliás, são sempre bem vindos.
Na verdade os livros que deram origem a saga Crepúsculo são quatro, de autoria da escritora estreante Stephenie Meyer. O primeiro foi lançado em 2005.
Acreditem, inspirado em um sonho (também tenho sonhos bem interessantes, inclusive nessa segunda a interrupção de um deles em um “momento decisivo” foi o que me deixou de mau humor pelo resto do dia – parece até vida real), voltando ao sonho que deu origem aos livros e estes aos filmes, pois é, esses mesmos, são quatro.
Mais informações sobre o assunto acessem outros links:
http://contigo.abril.com.br/as10coisas/as10coisas_413595.shtml  http://sagacrepusculobrasil.blogspot.com/ – Ou joga no oráculo que também dá certo.
Como eu havia mencionado anteriormente eis, os quatro livros em que se baseiam os filmes. Aos fãs das famigeradas obras, as minhas mais sinceras desculpas pela falta de informação.
Por Stephenie Meyer - Saga Crepúsculo

Devo lembrá-los que no meu post anterior, mencionei que os atores eram inexpressivos. Puts, pensem em como me senti ao saber que  Edward Cullen (Robert Pattinson ) e Bella Swan (Kristen Stewart) são namorados na vida real. Aff! Nem assim, saiu coisa que prestasse, lamento pelo devaneio, não resisti.
De volta ao raciocínio… Onde parei? Ah sim, na inexpressividade. Depois desse prometo não falar mais sobre o assunto. Mas acompanhe comigo:
A cena inteira tem duração de pouco mais de quatro minutos. Que parecem uma vampiresca eternidade (que trocadilho idiota).
00:22:11
É nesse momento que Edward dá um fora na Bella. (Leva uma eternidade como já disse).
00:22:21
Preste atenção no rosto dele.
00:22:33
Na imagem acima, parece nitidamente que seu esforço é unicamente para recordar o texto…
00:22:39
E, blá, blá, blá, até ela entender que o cara quer pular fora.
00:22:42
…Nada a declarar. (Tá na mesma ainda).
00:22:44
Note que o franzir da testa e sobrancelhas (feitas, diga-se de passagem), são indícios fortíssimos que a dália não está visível. (Ele só pode estar lendo).
00:24:46
A minha  intensão era exibir aqui toda a decupagem das cenas que iniciaram aos 00:21:00 (vinte e um minutos) até os 00:24:33 (vinte e quatro  minutos e trinta e três segundos )até quando (finalmente) ela termina, após vários takes, só que não tive paciência para postar tudo aqui. Fiquei com dó de você que ia ler.
Percebeu agora, o que eu quis dizer com “a culpa é toda o do diretor?
Chega, não quero mais falar sobre isso.
Estou muito sensível.
Nesse filme eles usam trechos de Romeu e Julieta, na versão antiga que eu adoro, principalmente ao amanhecer depois da noite de amor, quando Romeu e Julieta despertam ao som da cotovia, ai, ai.
O vampiro Edward consegue assassinar o Romeu mesmo depois de morto. Aff! ¬¬
Pode não parecer mas, gosto de histórias impossíveis, como a do Crepúsculo, só não souberam contar direito.
Os filmes inspirados em obras literárias, principalmente de vampiros nunca ficam bons, lembram de Entrevista com Vampiro, Tom Cruise deixou Lestath efeminado.
O único que prestou até hoje, foi Van Helsing e os vampiros não eram nada lindos e totalmente antagonistas.
Romeu e Julieta é muito legal, mas é Shakespeare então não vale a comparação. Mas, como sou injusta mesmo…eu posso.
Bem, boa noite para quem vai dormir como eu agora e bom dia para quem já vai dar um jeito na vida! Bjs
E boas mordidas para você.