"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

domingo, outubro 11

Despertar às 11h

Hoje amanheci me achando velha... Mas, a parte boa é que estou romanticamente bem humorada.

Votos de bom feriado recebido de uma amiga por sms, retribuído por msn. De bom dia ao meu namorado, que ontem não estava legal. Salvou o meu dia! Disse ele.

Navegando por águas desconhecidas... Recordei meus melhores momentos,  nas últimas 72h, viajei na minha imaginação entorpecida pela injeção de criatividade, graças a outros dois amigos, um cineasta e o outro louco na arte de encarar o mundo com olhos de poeta, cuja poesia se vê na retina dele, porque pouco ele fala... A fada verde que o diga.

Mas, mergulhei durante aquele momento em que o filme passava, e a luz do monitor me trouxe um rosto na mente e um diálogo interminado... Que poderia virar um curtíssimo, ou um diálogo de uma peça, quem sabe. Sonho com isso!

Sou muito egoísta, disse ela.

Eu te aceito, ele respondeu encarando.

Ela imaginou que fosse o álcool se misturando ao sangue. E, pensou: "O que eu levar dessa vida é só meu, os cacos servirão de colagens da minha história, para arte que só eu irei admirar. Por isso não importa".

As gotas de água que lhe molhavam o rosto, brilhavam como estrelas... Fatos.

Foi então que a leitura me prendeu e trouxe meus pés de novo à realidade...

A fome de alguns que passaram a engolir as letras, por pura maldade... Roubou minha atenção. 

Que horror! Como se não bastasse tanta crueldade por aí. Agora a moda é comer letras, deixar as palavras incompletas que antes unidas de mãos dadas, hoje perderão irmãs de sangue.

Agora dizem:

  • Conjectura sem o "c".
  • Administração sem o "d".

E outras tantas, que não lembro agora.

Nem quero imaginar como ficaria a psicologia sem o "s". Etimologicamente mudaria o estudo de caso, então. E a mente humana ficaria mais embaixo.

Como já afirmam que é por onde o homem pensa. Que maldade!