"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

terça-feira, outubro 6

Entre tantos...

Tenho muitos defeitos, que em algum momento da minha insignificância cheguei a classificá-los apenas como desajustes...
Não tem importância que nome vai levar,
Quero chegar onde a confusão me consome,
O certo demais é monótono, monossilábico.
Um desses tantos, é crer que há sempre algo mais sob o que foi dito, subliminaridade, há sempre um outro direcionamento, ambiguidade é pouco. Sejam mais criativos... consigo mesmos. Ou sempre os mesmos consigo.
Hoje talvez tenha descoberto o por quê, quando perdi o sono e a vontade de mil coisas mais...
Eu sou assim, tudo que eu digo ou escrevo tem mais de um fim. Desisti de ser compreendida. Danem-se as frases resumidas, e tudo que for simples de entender.
Vida,
Bandida,
Entediante,
Minha derrota é desejar demais, quando são só migalhas... que levam ao caminho de casa. Quero ir para casa, por outros caminhos, não me sigam, deixem-me em paz, durante minha guerra solitária.
Da muralha que construí para que ninguém me alcançasse, não vejo frestas, nem desvios, sigo sem saber onde vou chegar... mas sigo.