"O texto simplifica meu eu complexo, ora é aliado, ora me faz refém".- Hellen Cortezolli

sábado, outubro 17

A poesia quando se perde…

Recebi isso agora a pouco por email de uma amiga querida (Maiara, obrigada adorei), e resolvi dividir:

  Camões...

A redação da prova do Vestibular da Universidade Federal da

Bahia cobrou dos candidatos a interpretação do seguinte trecho do poema de Camões :

'Amor é fogo que arde sem se ver,

é ferida que dói e não se sente,

é um contentamento descontente,

dor que desatina sem doer.'

Uma vestibulanda de 16 anos deu a seguinte interpretação:

'Ah Camões!

Se vivesses hoje em dia, tomavas uns antipiréticos, uns quantos analgésicos, e Prozac para a depressão.

Compravas um computador, consultavas a internet, e  descobririas que essas dores que sentias, esses calores que te abrasavam, essas mudanças de humor repentinas, esses desatinos sem nexo, não eram feridas de amor, mas somente falta de sexo.'

A candidata foi aprovada com nota 10. Foi a primeira vez que, ao longo de mais de 500 anos, alguém desconfiou que o problema de Camões era falta de mulher...' kiss20

Depois quando eu falo que a praticidade levou embora toda a poesia, me chamam de cética. Concordo em parte com a garota de 16 anos, sorte a dela encarar o mundo desta forma, talvez se machuque menos, talvez perca a chance de olhar o mundo de ângulos alternativos… Mas, a verdade é que morre lentamente quem imagina encontrar o amor, falar sobre ele, e que outras pessoas o compreendam.

Admita, foi divertido não foi? E de um olhar puramente feminista, só por essa noite, responda se puder. Homem em dia com o sexo, faz poesia senão quiser pegar mulher?

Pior ainda é quando ele finalmente pensa ter conseguido, resolve esnobar só para massagear seu ego “dolorido”.

emoemo2

Essa eu não podia deixar passar.

Nós mulheres sempre saímos com fama de complicadas.